mp

domingo, outubro 02, 2005

Na tropa em Talin

Nunca fui a tropa. Apos um dia de inspeccao no quartel da Ajuda, com testes psicologicos estupidos e um exame medico que apenas serviu para me por de boxers num cubiculo com mais 20 gajos para depois me perguntarem se me sentia bem, chegaram a conclusao que tinha estudos a mais para cumprir o servico militar obrigatorio.
Quando era puto, ainda pensei em ir para a Marinha ou Forca Aerea. Mas acabou por ser na Estonia que tive a primeira experiencia militar.

Por norma, ha um tuga em cada parte do mundo. Em Talin, encontrei 200 portugueses e duas portuguesas. Ao chegar de barco, vindo de Helsinquia, saltou-me a atencao uns oito navios de guerra atracados no porto. De varios paises, entre eles um com a bandeira vermelha e verde.
Na madrugada seguinte, as 5 da manha, quando regressava ao quarto, comecei a ver grupos de portugueses nas ruas. Ao terceiro, perguntei se eram do barco. "Nao", foi a resposta: "Aquilo e um navio".

Em cinco minutos de conversa, com os olhos vermelhos da bebida, explicaram-me que andavam ha quase seis meses no mar, nos exercicios da Nato no Atlantico. Cabo Verde, Dinamarca, Noruega ou Polonia tinham sido algumas das ultimas paragens. O convite para almocar no navio surgiu de seguida e acabou por tirar-me as duvidas sobre se abandonava ou nao Talin de manha.

Depois de duas revistas com detector de metais pela tropa da Estonia que guardava os navios e de passar pelo meio de uma fragata alema, la consegui chegar ao barco tuga.
No bar do navio, tive a dificil tarefa de explicar que nao bebia alcool. A seguir, veio o almoco e uma visita guiadissima a maquina de guerra nacional, equipada com internet para toda a guarnicao e TV Cabo com todos os canais em qualquer parte do Mundo. A partir de ontem sei quanto custa um missil, como e a sala em que se planeia a guerra ou como e que o ar dentro de uma fragata continua respiravel mesmo num ataque nuclear.

A meio da tarde, comecou a segunda fase do meu primeiro dia de tropa: uma visita a cidade para beber e ver gajas. Depois da primeira cerveja - que ficou a meio -, perceberam que nao gostava mesmo daquilo. Mesmo assim, nao escapei a beber algo saido de uma garrafa qualquer local com o almirante que comanda a Nato no Atlantico e que, garantem-me, adora os portugueses e o vinho nacional.

Ao fim da noite, quando ia para o quarto, voltei a pensar em ir para a Marinha.

7 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Hey, you have a great blog here! I'm definitely going to bookmark you!

I have FREE leads for your business. Hey, these are free for the asking. All you need to do is visit my website.

Come and check it out if you get time :-)

12:03 da manhã  
Anonymous Antunes said...

Bem, ó sargento Guedes, eu vou comprar o teu livro. amanhã ligo para a fnac a encomendá-lo :)

um abraço e vê lá se ainda passas pela eslovénia e pela croácia.

4:23 da manhã  
Blogger Cláudio said...

Antunes, temos pena, mas fui lá e comprei o último exemplar! Vais ter que esperar pela 17ª edição ;)

Grande Guedes, força aí nas crónicas que eu vou fingir que nem tenho inveja nem nada!

Abraço

12:29 da tarde  
Blogger Leididi said...

Meu deus shô Guedes que o senhor está em grande!!Grandes histórias que terá para contar!
A Marinha parece-me bem até porque como és licenciado não terás d efazer aqueles exercícios físicos assustadores!E diz que a reforma é boa!
Não te esqueças da minha prenda :p

10:12 da tarde  
Anonymous Oliveira said...

Ah, grande Guedes! Estou como o Cláudio, vou fingir que não estou roída de inveja.

Mas...olha lá, ó Nuno, estavas a contar que foste com os militares para as cervejas e para ver gajas, mas acabaste por só falar no destino que deste à cerveja (ficou a meio9...então e as gajas?!!

12:23 da manhã  
Anonymous Antunes said...

ó Oliveira, lá tás tu a querer saber tudo! :)

11:40 da manhã  
Blogger Rui Teixeira said...

muller, és um ganda maluco... soube há uns dias que andas a meter na net as tuas aventuras pela europa, mas só agora pude vir dar uma espreitadela. bem, isto é um eufemismo, porque li tudo de fio a pavio e ja me doi as costas desta cadeira de merda onde estou sentado. mas valeu a pena. estás e grande e olha, junto-me ao lote dos invejosos. quem me dera ter algo para escrever agora...

6:32 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home