mp

terça-feira, junho 21, 2005


A caminho da paragem de autocarro Posted by Hello

Etiquetas: , ,


Na paragem Posted by Hello

A caminho do autocarro Posted by Hello

Etiquetas: , ,

quinta-feira, junho 16, 2005


Sintra de novo Posted by Hello

Etiquetas: , ,


Sintra Posted by Hello

Etiquetas: , ,

terça-feira, junho 07, 2005

Maquilhagem para todos

Eu sabia. Tinha uma teoria pessoal (das muitas que enchem as nossas cabeças) que garantia que quem veste fato e gravata ganha mais do que o comum dos mortais. Pode haver excepções, mas a média de um eventual estudo sobre o assunto diria certamente isso. A Caixa Geral de Depósitos ajuda agora a provar a minha tese, ao garantir, no manual de um curso de boas maneiras dado aos seus funcionários, que as mulheres que usam maquilhagem ganham entre 12 a 15 por cento em relação às suas colegas.
Mastigar com a boca fechada e desligar o telemóvel em enterros, bem como usar no máximo dois anéis, não andar sem collants, evitar sandálias e escolher vestidos ou saias de comprimentos regulamentares (2,5 cm acima do joelho), mesmo na articulação ou ligeiramente abaixo, são outras das normas agora vigentes no banco do Estado. Quanto à maquilhagem não há que ter dúvidas: usasse «sempre». A novidade chegou no passado sábado no Expresso e complementa o que já tinha escrito no post anterior - "O Drama Social".

O Drama Social

Com tanta gente a passar fome no Mundo, a minha última preocupação (não a única, é verdade), centra-se em roupa. Não que me interesse o tema saldos - ainda não desci tão baixo. Mas, dentro de algumas semanas tenho um casamento. Não o meu, mas de um amigo, que assim me abrigou a, ao fim de vários anos a escapar-me, ir a uma dessas "belas" cerimónias onde todos têm de estar “bem vestidos”.
Em primeiro lugar, onde está escrito o conceito de "bem vestido"? Para a maioria, será (no caso masculino) fato e gravata - o objecto mais inútil à face da Terra. Para mim, não. O drama é que, depois de uma vida inteira a "fugir" de casamentos - tirando aqueles em que, enquanto miúdo, a mãe me obrigava a ir, mas onde ainda impunha as minhas regras -, agora terei –que vestir qualquer coisa diferente daquilo que uso normalmente e preenche o meu guarda-roupa.
Na minha visão, umas calças normais e uma camisola vulgar seriam suficientes. Ténis também já sei que não devo levar, mas não percebo porquê. Porque é que a roupa que uso todos os dias não serve para um casamento?
A gravata continua a ser uma ideia posta de lado, mas ao resto parece que vou ter de me render. Ninguém me obriga (a não ser a minha consciência) mas sei que desta e a partir de agora não me escapo.

quinta-feira, junho 02, 2005


Tosquia de ovelhas no Rosmaninhal, Parque Natural do tejo Internacional. Posted by Hello

Etiquetas: , ,

quarta-feira, junho 01, 2005

Queimem a camisola

Eu sei que o futebol já não é o que era. Que os clubes não são dos sócios, e são verdadeiras empresas que vivem da paixão irracional que alguns milhões de pobres mortais têm por um símbolo.
Mas não havia necessidade de destruir a camisola do (meu?!?!?!) Benfica. Por causa de uns trocos a mais, agora a camisola vermelha do clube tem um enorme quadrado laranja e azul (sublinho o azul) no meio (http://www.slbenfica.pt/Info/Outras%20Noticias/outrasnoticias_clubeequipamentosapres_010605_28443.asp). O equipamento suplente, trocado todos os anos para vender mais algumas camisolas, também é "lindo". Depois do prateado, dourado e azul dos últimos anos, chegar uma cor próxima de algo difícil de qualificar. Os adeptos agradecem o domínio da PT nas camisolas dos grandes portugueses.

É uma tara que tenho com cruzes. Não posso ver uma que não fotografe! Posted by Hello

As velas já não se acendem. Atiram-se para a fogueira. Posted by Hello

O espetáculo da fé Posted by Hello